QUEM FOI ELIZABETH CLARE PROPHET?
(8 de Abril, 1939 – 15 de Outubro, 2009)

1ª Parte - Infância e Juventude.

Elizabeth Clare Wulf (nome de solteira) nasceu no Monmouth Memorial Hospital em Long Branch, New Jersey, na costa dos Estados Unidos, em 8 abril de 1939. Filha de Hans e Fridy Wulf, ela cresceu em Red Bank, New Jersey, durante a segunda guerra mundial. Seu pai era um construtor de barcos.

Ela nunca teve senso de começo e fim. Sempre teve o senso de estar em Deus, sentia a Presença das Hostes Angélicas e dos irmãos, ascensos que são Instrutores da Luz. Ela sempre entendeu o Princípio da Hierarquia, de onde a Energia veio do centro do âmago do ser e veio descendo e descendo pelas evoluções de Deus.

Pela idade de 3 anos, ela brincava numa caixa de areia e de repente viu-se em outra areia, à beira do Rio Nilo, no Egito. Esta foi uma experiência muito concreta. Havia um propósito para o Espírito Santo revelar isso a ela. Logo, ela se viu de volta no mesmo lugar, na caixa de areia. Então, correu narrar a experiência à sua mãe e perguntou: “O que aconteceu?” A mãe disse: “Você se lembrou de uma vida passada”.

Desde menina, ela procurava as Igrejas. Pedia para sua mãe que a levasse, mas não ficava satisfeita, procurava outra Igreja e pedia para sua mãe levá-la. Até que não havia mais para onde ir. E ela se recolheu em seu quarto, meditando e lendo a Bíblia, versão King James. Elizabeth sentia muitas vezes a Presença do Espírito Santo. Via as letras douradas. E a compreensão do texto subitamente chegava como uma dádiva do Espírito Santo.

Aos 18 anos, antes de deixar seu lar para partir para a Universidade, ela pediu a Deus: “Se há alguma coisa nesta casa que você gostaria que eu visse, por favor, mostre-me, pois eu vou partir”. E sentiu a resposta: “Pegue aquele livro, na estante”. Ela obedeceu, era um livro de Saint Germain que estava lá desde que ela nasceu. Sua mãe nunca lhe mostrou porque queria que ela encontrasse por si mesma. Elizabeth passou 5 anos procurando Saint Germain, até encontrá-lo dentro de casa.

Ela se lembra de uma cerimônia diante de Saint Germain e dos Mestres Ascensos, antes desta encarnação, em que ela dizia: “Saint Germain, eu prometo ir a Terra e levar seus Ensinamentos para o povo de Deus”. Ele colocou suas mãos sobre sua cabeça, e ela lembra-se de entrar em um flamejante Vortex de Luz que parece um tornado, que é o canal do nascimento dentro do qual a alma desce para a forma física preparada para ela.

Mas desde o momento da concepção a alma já está se desenvolvendo com o corpo físico. E quando encarnamos é cortada a nossa memória pela grande misericórdia da Lei. Nosso karma é a ignorância da Lei, ignorância do Eu Real, ignorância do Verdadeiro Ensinamento, ignoramos em vidas passadas nossos verdadeiros orientadores, ignoramos a Voz Interior de Deus, ignorando Seus Mandamentos.

O corte da memória de vidas passadas é necessário porque a maioria de das pessoas ficaria insana ao conscientizar-se de 10, 20 ou 100 vidas anteriores onde tiveram problemas e envolvimentos emocionais e onde morreram em campos da batalha pelo mundo.

Vivemos dramáticas experiências, portanto isto está SELADO no subconsciente. Cada um de nós carrega no plano subconsciente do Ser, as gravações do passado, porque o passado é parte de nossa identidade. E, através da vida temos por vezes flashes de memória passada. As vezes, vemos pessoas que já amamos instantaneamente. Ou pegamos um livro e ao lê-lo, parece que já sabíamos tudo aquilo. Está gravado em nosso Ser.

E o homem desta era perdeu sua própria identidade. Não sabe mais quem é. E isto é por pensar que só vivemos uma vez. Se cortarmos o passado, não mais temos origem ou raiz. E o que dizer da Origem Cósmica do Ser que é de fato livre em níveis interiores? O Ser que parece aprisionado nesta casa de barro. E a origem? E o contato com o Elohim? E o Sol por detrás do Sol? Este Sol que é a fonte de Energia que tão minimamente utilizamos?

Temos um destino flamejante e sem o contato com o Eu Real não conseguiremos realizar esse destino. Imortalidade é o fracasso de não se ter a coragem de ser o seu Verdadeiro Eu, de se levantar pela Verdade do Eu Interior e do compromisso que assumimos diante do Deus vivente. Isto é a imoralidade que destrói.


foto de Elizabeth ainda moça segurando uma bíblia da Ciência Cristã

Elizabeth foi inspirada pelos Mestres a formar-se em Ciências Políticas e Econômicas, o que ela fez na Boston University. Sempre determinada a encontrar Saint Germain, um dia, leu uma notícia no jornal e sentou-se no chão de seu apartamento chorando desesperadamente por ver que ninguém enxergava a Realidade assim como ela. E havia milhões de pessoas envolvidas naquele evento.

Elizabeth sabia que encontrar Saint Germain seria a chave desses problemas. Se o aluno está pronto o Mestre aparece. Mas a humanidade não estava pronta e o Mestre não aparecia. Por quatro ocasiões na vida ela teve um extraordinário contato com Deus e estes contatos tinham como base uma necessidade desesperada, um intenso amor pelo povo, individualmente e como um todo, um senso de impotência, um grito por justiça e finalmente fazendo uma demanda para o Cosmos e simplesmente clamando à Deus: “Pai, você tem que fazer alguma coisa sobre isto!”.

E nestas ocasiões, onde toda esta química estava reunida num ponto, vinha a resposta à Oração. Ela sentia sua própria energia, indo a Deus e retornando, e a resposta era instantânea ou em poucas horas, ou em poucos dias, a menos que fosse extraordinário, e o céu e a terra tenham que ser virados de cabeça para baixo, a resposta vinha.

E ela ficava maravilhada com esse processo! E ela observava o processo. E a resposta à oração já não era tão significante como o processo que ocorria. O que ocorre nessa troca de Energia com Deus? A descoberta é uma chave que pode funcionar todas as vezes.

E ela, desesperada, sentia o tempo passar e não encontrava Saint Germain. E o senso de auto-condenação e auto-desvalorização que as vezes ataca a todos, chegava a ela. Um dia Elizabeth disse a si mesma: “Se você é pecadora e não tem valor, Deus em você tem valor. Deus em você tem valor para contatar Deus em Saint Germain”.

E isto foi como a Luz da Liberdade. E toda condenação voou para longe, pois agora ela sabia ter direito à sua Herança Divina. E ela saiu correndo para o terraço e abriu os braços para o céu azul e gritou: “Saint Germain, eu sei que você está aí em cima. Você tem que vir me pegar agora. Eu não posso mais esperar! E ela sentiu a Luz e o Amor saindo dela e indo para Ele. Ela sabia que Ele estava lá e voltou para dentro em paz.

Poucos dias depois descobriu através de uma ligação cruzada de telefone, que havia um grupo de estudantes de Saint Germain em Boston, e quando os contatou eles disseram que Mark Prophet era o Mensageiro de Saint Germain e que ele viria na sexta-feira a Boston, transmitir Ensinamentos e ela estava convidada a participar.

Na sexta-feira, haviam poucas pessoas na reunião e ela sentou-se em frente ao Mensageiro. E quando olhou nos olhos dele, entendeu que ela procurava aquele par de olhos por toda a sua vida. Aqueles eram os olhos de alguém que encontrou os olhos de Deus. E Elizabeth encontrou seu instrutor. Ela fechou os olhos e sentiu o tremendo poder da aura de Mark. Um campo de Força-Energia tal como ela nunca havia visto. E sentiu-se, envolvida pelo Manto do Profeta. Manto é o símbolo da Luz e realização do indivíduo.

E Mark mostrou a ela a face de todos aqueles através do planeta, em todas as religiões e níveis econômicos, que haviam esquecido sua origem, sua missão e não poderiam passar a seus filhos o conhecimento que não tinham, de sua identidade perdida. E ela decidiu estudar esses Ensinamentos, tornar-se esses Ensinamentos, para correr com essa Tocha de Luz para iluminar a consciência de todas as almas, que já conheciam a Lei, só precisava ser lembrada. E no momento em que ela transferisse de seu coração aquela Luz do Espírito Santo, aqueles que conheciam, seriam acordados. E aqueles que não tinham a Lei gravada em suas partes interiores não compreenderiam.

E Mark deu um ditado de Arcanjo Miguel. E além da mensagem, ela sentiu a energia entrando em seus chakras. E ela sentiu que este é o propósito da evolução, que há uma evolução espiritual. Existem seres que estão apenas um pouco além de nós em evolução, além do véu do Tempo e do Espaço, e eles, pelo seu dharma, pela sua dívida de serem eles mesmos, têm a suprema obrigação com o Universo. Eles tem que transferir essa consciência àqueles de evolução inferior que é também nossa obrigação, quando temos um talento que aperfeiçoamos.

Qualificação de tocar piano, ou ser carpinteiro ou engenheiro, ou um grande cirurgião. Devemos passar adiante estes conhecimentos, talentos que temos, à próxima pessoa na linha. Assim é que a civilização se move, e esta é a ordem do Universo.

E Arcanjo Miguel disse: “Povo de Boston, eu vim para libertá-los”.

E ela sabia que o Arcanjo Miguel estava falando para ela. Sentiu que estava sendo libertada daquilo que a impedia de encontrar Saint Germain e sua missão. E foi a resposta a um pedido e ela sentiu que devia acelerar sua consciência até atingir um plano em que pudesse se comunicar com Saint Germain.

E dentro de poucas semanas ela estava atravessando um Parque para ir à aula, e no caminho, viu um Ser de Luz que ela nunca tinha visto. Mas no momento que O viu, ela O reconheceu. Era o Mestre El Morya, exatamente como é visto nesse quadro que temos. Ele tem quase 2,20m de altura, e Sua aura vibra numa tremenda dedicação à Vontade Divina.

Morya disse: “Eu preciso de uma Mensageira feminina. Vá a Washington e Eu a treinarei através de Mark Prophet, e se você passar as Iniciações, Saint Germain virá e a ungirá como Mensageira dos Mestres Ascensos. Foi só o que Ele disse e não esperou a resposta. El Morya assim, deu a Elizabeth uma comprovação da absoluta Realidade e integridade dos Mestres. Ele não pediu a ela para caminhar pela Fé, mas pela Ciência do Conhecimento.

E nós devemos pedir em nome de Deus, em nome do Nosso Cristo Pessoal, para que os Mestres Ascensos provem sua Realidade à nós. E com este conhecimento não tememos crítica ou o ridículo, pois sabemos que somos a vanguarda, e a Mensagem se torna a Paixão de nossas Vidas.

El Morya apareceu a ela outra vez. Ela estava em casa quando o viu entrando pela porta. Ela ficou de pé em toda a sua altura, vibrando a Vontade Divina. E uma parte de dúvida nela disse: “Siga em frente e prove se Ele é real. Atravesse-o, se você não puder atravessá-Lo, Ele não é Real”. E ela pensou: “É, isto faz sentido”. E lá estava Ele de pé, com um amor e devoção que é indescritível. E ela atravessou-O, e voltou, e Ele continuava lá, e ela ficou muito encabulada. E ela nada mais provou do que, Mestres Ascensos são reais.

Elizabeth deixou a cidade apenas dizendo adeus a seus amigos, sua Igreja, seu trabalho. Nada explicou pois ninguém entenderia. Deixou para trás toda uma vida. Antes de deixar a cidade ela sentiu-se presa, impedida de sair. E invocou Jesus: “Você sabe que eu sempre O segui, ajuda-me. Vou segui-lo até o fim. Estou trabalhando com os servos, filhos e filhas de Deus, em Teu nome. Por favor, abre a Bíblia e mostra-me alguma coisa que me fortaleça”. Ela abriu e leu o verso em Fogo Violeta: Havia dois trabalhadores no campo. Um foi levado e outro ficou. Ela entendeu que era aquela que era levada e isto lhe deu a coragem necessária.

Elizabeth tinha um conceito errôneo sobre a Virgem Maria. E não gostamos de admitir que estávamos errados, é um insulto ao nosso orgulho espiritual e intelectual. Esta é uma das maiores iniciações na Senda da Liberdade e Iluminação. Ela era mais fundamentada na religião protestante, embora sentisse mais conforto na religião católica. Foi ensinada que os católicos adoram símbolos. E que Maria é uma espécie de Deusa que permite ser chamada de Rainha do Universo.

Elizabeth pensava: “Como Ela ousa permitir ser chamada de Rainha do Universo e ser adorada como Mãe de Deus?” . Assim ela tinha sido doutrinada e não havia conseguido ver através disso. E um dia Elizabeth estava caminhando na rua e subitamente olhou para cima e lá estava Maria! Ela é jovem, parece uma garota. Elizabeth identificou-A como uma amiga conhecida de sempre e uma irmã da Luz e na Presença desse intenso amor que foi irradiado para ela, Elizabeth sentiu-se nua. Sua própria hostilidade e ódio rasgou-se, e ela correu para a Igreja Católica mais próxima, ajoelhou-se diante de Sua estátua e disse:

“Perdoa-me, Perdoa-me. Deixe-me ser sua Mão e seu Templo, deixa-me ir e encontrar tuas crianças e deixa-me levar conforto à vida”. Desde este momento Elizabeth começou a ver Mãe Maria como irmã, guardiã da Raça como o Arquétipo da mulher, como a grande cientista da Era de Peixes. Aquela que deu nascimento a consciência cósmica no primeiro filho nascido.

O elevar da Chama da Mãe em nós é o elevar da Kundaline, da Base para a Coroa. Ave Maria que tem sido orada por 1.500 anos é realmente um Salve ao Raio Mãe, Ma-Ray, Mary. Raio Mãe do Universo. A polaridade negativa, o Princípio Feminino do Ser.

Ave Maria é uma saudação ao âmago do Fogo Branco, a semente, átomo da Base da Espinha que os hindus chamam a Deusa Kundaline. Santos e místicos, por séculos, tem orado a Ave Maria como a forma de elevar essa energia. Por isso, os santos tem a auréola em volta de suas cabeças, porque eles abriram o chakra Coronário e entraram no êxtase de Deus.

Estes mistérios foram explicados a Elizabeth por Mãe Maria, e também, que o título de Mãe de Deus não é exclusivo dela, mas Ela realizou a totalidade da Chama da Mãe em si mesma. E como Ela fez, homens e mulheres também podem fazer. Ser Mãe de Deus é alimentar a vida encarnada na Terra. Alimentar a Chama, alimentar o eterno Cristo que é nascido em todo coração. Cuidar um do outro é entender Deus como Mãe. E a única razão pela qual Maria se tornou o objeto de Ave Maria é porque Ela se tornou a pessoa atrás do qual o Princípio, o Eterno Princípio de Ômega ou do Ser feminino, é descoberto.

A devoção à Mãe é a compreensão de que na Era de Aquário, quando nós elevamos esta Energia Luz da Mãe, só então seremos acordados e teremos a compreensão de quem é este Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, porque é a Mãe que nos explica a Lei do Pai, que somos os filhos e filhas e o que é esta fabulosa energia de Amor que é o Espírito Santo fluindo através de nós.

Elizabeth foi para Washington e Morya treinou-a através de Mark Prophet e algum tempo depois eles se casaram, eles são Chamas Gêmeas. Mark disse a ela que não ficaria aqui por muito tempo e que transferiria a ela o Manto de Mensageiro, e isso ele fez.

Eles viveram juntos por 12 anos e tiveram 4 filhos, e milhares de outros filhos, chelas que estudam os Ensinamentos dos Mestres Ascensos. Mark concluiu sua evolução e acelerou na Luz da Ascensão.


2ª Parte - Mãe e Mensageira da Grande Fraternidade Branca.

foto da mensageira durante um ditado do mestre El Morya

Elizabeth Clare Prophet foi mística, escritora, palestrante e professora espiritual. Mas, sobretudo, é uma Mensageira de seres espirituais iluminados chamados Mestres Ascensos. Como Mensageira, ela foi tanto porta-voz como escriba. Ela transmitiu, oralmente e por escrito, as palavras dos Mestres. Neste papel, Elizabeth registrou alguns dos mais belos e profundos ensinamentos espirituais do mundo.

A vasta obra que ela produziu inclui mais de 1800 mensagens ou "ditados", dados pelo dom do Espírito Santo, dos Mestres Ascensos, Arcanjos e outros seres espirituais. Ela e seu falecido esposo, Mark L. Prophet, publicaram mais de 75 livros acerca dos ensinamentos dos Mestres Ascensos. Proferiu palestras por todo os Estados Unidos e em 28 países, tendo falado em 150 cidades e 6 continentes. Alguns de seus tópicos preferidos foram: a evolução da alma, anjos, chamas gêmeas e almas companheiras, profecia, psicologia espiritual, carma e reencarnação e técnicas que visam equilibrar o carma, especialmente utilizando-se de uma energia espiritual conhecida como chama violeta.

Ela realizou esforços para sistematicamente fazer com que os caminhos místicos das religiões mundiais estivessem acessíveis aos buscadores espirituais e também proferiu palestras sobre Budismo, Cristianismo Místico, textos cristãos gnósticos, Hinduísmo, Cabala (Judaísmo Místico) e Taoísmo.

Elizabeth Clare Prophet foi uma pioneira do pensamento moderno e teve uma vida extraordinária. Sua busca espiritual surgiu a partir de uma lembrança de uma vida passada. Ela freqüentou a igreja católica, a sinagoga judaica e cada igreja protestante de Red Bank, e, mais tarde, estudou os ensinamentos de Mary Baker Eddy. Também estudou os escritos de Mohandas Gandhi, Albert Schweitzer e Norman Vicent Pale - seus heróis modernos.

Em julho de 1964, Saint Germain ungiu a Sra. Prophet como Mensageira da Grande Fraternidade Branca, uma ordem espiritual de santos do Ocidente e mestres do Oriente, a qual todos os Mestres Ascensos pertencem. (O termo branca nada tem a ver com a raça, mas sim, com a luz branca que circunda a aura desses seres imortais.)

Em 1970, os Prophets fundaram a "Montessori International", uma escola baseada nos princípios da aclamada educadora Dra. Maria Montessori, para dar às crianças um ambiente de aprendizado no qual pudessem realizar plenamente seu potencial interno. Sob a direção da Sra. Prophet, a escola testou vários métodos inovadores de aprendizagem. Hoje, o currículo inclui as técnicas de Maria Montessori, Glenn Doman, Marva Collins e o método fonético de Spalding.

Em 1995, Gordon Dryden, um premiado jornalista e co-autor de "The Learning Revolution" (A Revolução do Aprendizado), visitou a escola como parte de uma busca de quatro anos pelos melhores métodos do mundo para o desenvolvimento da criança na primeira infância. Ele escreveu: "Visitei as pré-escolas e as maternais pelo mundo. "Montessori International" é provavelmente a melhor que já vi. Certamente uma das duas ou três melhores do mundo".

Em 1971, Mark fundou a Summit University para aqueles que queriam estudar os caminhos místicos das religiões mundiais e adquirir um conhecimento mais profundo dos ensinamentos dos Mestres. Em 1973, Mark Prophet faleceu, e desde então a Sra. Prophet deu continuidade ao seu trabalho.

Elizabeth Clare Prophet foi a chefe espiritual da The Summit Lighthouse, Summit University Press, Summit University e Church Universal and Triumphant. A igreja foi fundada em 1974, ao encontro das necessidades espirituais mais profundas daqueles que desejavam aplicar os ensinamentos dos Mestres Ascensos.

No decorrer dos anos, a Summit Lighthouse cresceu. De uma pequena organização com poucos membros, tornou-se uma organização com aproximadamente 200 grupos localizados nos EUA e em 38 outros países.

Além de suas publicações e palestras, Elizabeth Prophet falou sobre sua vida, trabalho e ensinamentos em inúmeros programas de TV e rádio. Em 1977, ela apresentou o "The Man Who Would Not Die" (O Homem que não Morria), um programa sobre Saint Germain produzido por Alan Landsburg e narrado por Leonard Nimoy na série "In Search of" (Em busca do Desconhecido), que foi transmitido pela NBC nos EUA. Mais tarde, ela apareceu nos programas "Larry King Live", "Sony Live", "CNN and Company", "Donahue", "Nightline" e apresentou na NBC "Ancient Prophecies".

Elizabeth Clare Prophet foi a fundadora da comunidade espiritual nos EUA, localizada no Rancho Royal Teton, na parte setentrional das Montanhas Rochosas, ao lado do Parque Nacional Yellowstone, em Corwin Springs, Gardiner, Montana, onde realizava quatro conferências anuais e vários seminários de fim-de-semana, trazendo ao mundo os ensinamentos dos Mestres Ascensos e reunindo milhares de buscadores espirituais de mais de 30 países a cada ano para os eventos.

Hoje, depois de sua passagem, Elizabeth Clare Prophet é considerada por seus seguidores como a Mestra Ascensa Guru Ma (Guru Mãe), ou ainda, como Santa Clara, uma de suas encarnações passadas.

Texto traduzido por Paulo R. Simões, da The Summit Lighthouse.


Ao utilizar nossos textos, indique sempre o web site - www.eusouluz.com.br


Voltar