MEDITAÇÃO TAOÍSTA


Como Aquietar os Pensamentos - O b-a-bá da Meditação Taoísta

Uma das principais dificuldades do processo da meditação é a dicotomia que se estabelece na mente do praticante, no momento em que ele se senta para meditar e se criam duas forças oponentes que passam a disputar a primazia de seu raciocínio: um lado da mente ordena que o praticante se concentre e faça silêncio, enquanto o outro desfia razões infindáveis para demovê-lo dessa intenção.

Isso significa que, no momento em que a pessoa se senta para descansar, procurando esvaziar a mente dos pensamentos obsessivos, passa, em vez disso, a se debater perante duas ordens contraditórias, sem conseguir definir a qual das duas deve obedecer.

No processo da meditação, o praticante não pode dar continuidade aos pensamentos que surgem em sua mente no momento em que ele está procurando concentrar-se em sua respiração, para uni-la com sua consciência.

Ou seja: não se deve alimentar pensamentos. A pessoa alimenta um pensamento quando dá livre continuidade ou rejeita rispidamente esse pensamento; isso significa, na primeira situação, deixar-se levar por quimeras e, na segunda, brigar com o pensamento, dizendo para ele, por exemplo: “Vá embora, não se aproxime porque eu não quero dialogar com você”.

Em ambas as situações o praticante terá saído do estado de meditação para conversar com seus pensamentos: na primeira hipótese, uma conversa agradável, fundamentada em fantasias; e, na segunda, uma polêmica disputa de forças.

Quem conversa durante a meditação não está de fato meditando. A pessoa que conversa com seus pensamentos terá deixado de meditar, ainda que permaneça em posição de lótus.

Como agir diante dessa situação? Para eliminar e controlar rapidamente o pensamento, tão logo ele apareça em sua mente, é preciso tomar consciência de sua existência e, imediatamente, ignorá-lo, voltando sem demora a atenção total para a respiração (apenas observe-o de longe, sem dar valor algum a ele, e volte a focar na respiração).

A concentração na respiração tem o poder de controlar pensamentos. Quando o praticante assim age, o pensamento perde a força que o mantém ativo na mente, interrompe sua trajetória e se desmancha por si só. Isso é fazer com que ele se torne quieto.

A concentração na respiração deve ser feita numa medida em que o praticante consiga contemplar o ar que está respirando, sem apegar-se a ele, nem tampouco se desligar dele. E, para conseguir esse resultado é preciso não se afastar do estado de relaxamento.

A concentração excessivamente forte gera doenças físicas e psíquicas, enquanto a falta de concentração gera devaneios. Por isso é de essencial importância a pessoa conseguir se manter na medida certa da concentração, se quiser um resultado de excelência para sua prática.

É fundamental manter permanentemente a atenção no ar que se respira porque assim, conforme o progresso, o praticante poderá alcançar o estado do Vazio. Desse modo, e envolvido por uma energia harmoniosa, a luz interior alcançará todo o seu ser, criando a Plena Iluminação.

- Passo a passo

.Procure uma posição confortável.

.Cruze as pernas em posição de lótus ou semi-lótus.

.Apoie o dorso das mãos sobre as coxas.

.A mão esquerda deve ficar sob a direita e os polegares devem se tocar levemente.

.A coluna deve ficar ereta; porém, se houver dificuldade de mantê-la assim, pode apoiar as costas.

.Feche os olhos e relaxe o corpo, da cabeça aos pés.

.Encoste a ponta da língua no céu da boca.

.Concentre a atenção na respiração, que deve ser suave, lenta e harmoniosa.

.Mantenha a atenção na respiração, buscando a fusão da mente com a respiração.

A completa quietude interior é resultado da fusão da energia com a consciência de uma pessoa, ou seja, da integração da mente com a respiração.

Mergulhe nesse estado de integração entre mente e corpo até atingir o estado de extrema quietude. Somente a partir desse ponto é que, na verdade, damos início à meditação…

Mestre Wu Jyh Cherng.


Voltar