O QUE OS MESTRES ASCENSOS DIZEM SOBRE...

OS VINTE E QUATRO ANCIÃOS E A SEGUNDA MORTE DA ALMA


 

Em Apocalipse 4:2-4 está escrito:

“E logo fui arrebatado em espírito, e eis que um trono estava posto no céu, e um assentado sobre o trono. E o que estava assentado era, na aparência, semelhante à pedra jaspe e sardônica; e o arco celeste estava ao redor do trono, e parecia semelhante à esmeralda. E ao redor do trono havia vinte e quatro tronos; e vi assentados sobre os tronos vinte e quatro anciãos vestidos de vestes brancas; e tinham sobre suas cabeças coroas de ouro.”

Sanat Kumara é aquele que sentava-se ao trono no céu. Deus deu a Sanat Kumara o poder sobre a Terra. Ele é o grande Eu Sou o que Eu Sou da Terra. Aquele que detém o manto de Deus da Terra. Os 24 anciões são seres cósmicos de altíssima vibração que atuam em um nível acima do conselho karmico, como juízes da Corte do Fogo Sagrado. São eles que decidem se uma alma deve passar pela segunda morte e deixando de existir, sendo consumida pelo Fogo Sagrado. Eles atuam diretamente de Sírius, juntamente com o Senhor Surya.

Vamos estudar juntos, uma série de ditados dos mestres que falam sobre os 24 Anciões e a segunda morte da alma.

Paulo R Simões – 


Pérola de Sabedoria Vol. 16  No. 15  -  Saint Germain  -  1973

Para Aqueles que desejam glorificar a Deus em seus corpos e em suas almas:

O caminho da salvação foi colocado perante a humanidade por inúmeros avatares. É um caminho para a salvação da alma e de comprovação das leis do espírito, pela alma, no, e através do corpo.

"Portanto, glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus." 1 Coríntios 6:20

O templo do corpo é necessário para a evolução da alma, até a hora em que a alma se funde com o Espírito (Presença EU SOU), no ritual da reunião, que é chamado de ritual da ascensão.

Paulo foi perguntado: - "Como ressuscitarão os mortos? E com que corpo virão? "1 Coríntios 15:35

- A resposta dele foi: "Insensato, o que tu semeias não é vivificado, a não ser que morra." Coríntios 15:36

- E então, ele começou a explicar que há "corpos celestes e corpos terrestres: mas a glória dos celestes é uma, e a glória dos terrestres é outra" Coríntios 15:40

Os quatro corpos inferiores (o corpo da memória ou etéreo; o corpo mental; o corpo emocional ou astral; e o corpo físico.) são os veículos criados por Deus para a evolução da alma. O ponto de ancoragem da consciência (alma) na oitava física, é o corpo físico; mas quando a transição vem (a morte física), e deve vir para todos os que são nascidos da carne, então, a habitação da alma passa a ser o envelope (o corpo) etéreo, no plano etéreo.

Essa oitava é uma réplica rarefeita da oitava física. Seus níveis mais elevados manifestam a perfeição de Deus e do padrão que deve ser manifestado na Terra.

Neste nível estão localizados os retiros da Fraternidade e as catorze cidades etéreas que se encontram acima dos desertos e oceanos da Terra. A vida aqui, continua, e é a memória de uma estadia no reino etéreo, que permite à humanidade acreditar na continuidade da existência além-túmulo.

Jesus falou aos seus discípulos sobre a vida, a vida da alma no templo físico, e a vida da alma no plano etéreo. Uma de suas admoestações que veio como resultado do ensinamento que foi registrado na Sagrada Escritura, é:

- "Não temais os que matam o corpo, mas não são capazes de matar a alma: mas temei antes, aquele que pode destruir a alma e o corpo, no inferno ". Mateus 10:28

A chamada “morte do corpo” deve ser vista como o natural abandono das vestes de uma alma e o vestir de outra roupa mais adequada para o próximo ciclo de evolução da alma.

Como um alquimista do Espírito, assim como da matéria, eu vejo toda a vida como um processo de transmutação, como a mudança de glória em glória de que Paulo falou. Todas as coisas são, de fato, em um estado de fluxo.

- São Paulo disse - “Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.” - 2 Coríntios 3:18 -

O homem se alegra quando antecipa mudanças em sua vida, o crescimento de um nível de experiência para outro: desde a primeira infância, passando pela infância, os anos de maturação, anos em que ele domina o plano físico e a coordenação física do seu corpo, e outros onde ele mede o crescimento pelo desenvolvimento da alma, pela conquista do conhecimento, ou pela expressão dos sentimentos de Deus, enquanto ele aprende a dominar suas emoções e a expressá-las como Deus gostaria que ele o fizesse.

Alguns acolhem a morte como a um amigo. Eles a veem como uma fuga de suas misérias, suas falhas, suas vidas desperdiçadas.

Outros, combatem a morte como a um inimigo, e bem que deveriam; pois a morte é o último inimigo que deve ser superado, se o homem está para herdar a vida imortal, como a transição lógica de sua consciência da tomada mortal e suas experiências no domínio finito.

A morte pode ser a porta para o infinito, ou para um ponto de reentrada, pelo qual o homem deve eventualmente retornar ao seu mundo finito (limitado), para desfazer e refazer, e completar, aquilo que ele deixou de fazer/realizar (a vontade divina).

Eu falo para aqueles que estão mais preocupados com a sobrevivência da alma do que com a sobrevivência do corpo físico, mas que vão defender a fortaleza da consciência dentro da estrutura física, já que é necessário para o progresso individual e coletivo do planeta e seu povo.

Aqueles que são capazes de matar o corpo, mas não são capazes de matar a alma, não devem ser temidos. Jesus zombava deles, quando disse: - "Destruí este templo, e em três dias eu o levantarei". João 2:19

E assim é sobre a Consciência Crística de cada um de vocês. O Cristo em vocês é capaz de elevar o veículo necessário para perpetuar o desabrochar do Espírito através da alma do homem, seja no físico ou no plano etéreo.

Mas, em seguida, chegamos àquele o qual Jesus nos advertiu: - "aquele que é capaz de destruir a alma e o corpo no inferno."

Quem é que pode destruir a alma do homem? Quem é este que deve ser temido? Não é o pai da mentira, o próprio mentiroso que trouxe o véu da ilusão, aquele que fez verdadeira a morte para a consciência da humanidade, e irrealidade, e pecado, e sombra, e vergonha?

Não é o grande enganador quem transformou a vida de cabeça para baixo e definiu valores falsos antes da corrida, e depois usou esses valores falsos para fazer com que a humanidade perdesse suas almas e se tornassem náufragos?

A alma pode ser destruída, ó filhos do único Deus verdadeiro, mas somente se o homem, por sua livre vontade, decidir aliar suas energias com a mentira do mentiroso, e permitir que sua consciência se torne o reduto do mal.

Aqueles que estão envolvidos na perpetuação da irrealidade, da consciência da morte, e que existem apenas para servir a si mesmos, em vez de procurar ser útil aos outros, estes são os que podem muito bem temer a morte da alma, e aquele, que é capaz de destruir as almas dos homens, atraindo suas consciências para as profundezas da iniquidade e das profundezas do inferno.

Embora Jesus tenha advertido sobre a morte da alma e, se referiu à segunda morte em sua Revelação Apocalíptica para João, a palavra que vem daqueles que se tornaram porta-voz dos espíritos da noite, é que “ - a segunda morte foi abolida...”

Corações que buscam a União com o Fogo Eterno, crianças que devem tornar-se sábios na geração da luz, percebam que seria apenas em benefício daqueles que são candidatos para a segunda morte, que, a menos que se arrependam antes da hora de seu Juízo final, perante o Tribunal do Fogo Sagrado, não há esperança de redenção para eles, devido a suas obras malignas, assim, eles proclamam a abolição da segunda morte para que outros possam ser tentados a pecar sem medo de punição.

“Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis.” Genesis 3:4

“Certamente não morrereis” é a mentira muitas vezes repetida da mente serpentina, a força que iria devorar as mais altas energias do homem, a fim de perpetuar-se, a força que promete a salvação do homem, mesmo quando ela o leva para o caminho de prímula de sua própria autodestruição.

Eu lhes digo para esclarecer e preparar o caminho para a realização gloriosa dos filhos e filhas de Deus, para que subam para cima e à frente, cada vez mais alto na Luz, para receber as graças de Deus e oferecer-Lhe os frutos de seu serviço unido e sua alegria no Espírito Santo.

O que é, então, a segunda morte? O que é o Juízo Final?

Chega um momento na evolução da alma, e este momento se aproxima para muitos, quando a oportunidade para a evolução no tempo e no espaço, vai chegando ao final.

Quando o Espírito do homem é criado pela primeira vez, diretamente das energias de Alfa e Ômega, e o Corpo de Fogo Branco da plenitude torna-se em línguas repartidas, ou chamas gêmeas, que devem dar testemunho da sua presença no tempo e no espaço, (atuando) como raios masculinos e femininos (positivo e negativo) ancorados na forma, as identidades do homem, a sua manifestação e a de sua companheira, são enviados com um ciclo de evolução que é vedado no interior da semente da Consciência Crística de cada um.

O ciclo de vida é como uma espiral gigante que é liberada, e o homem viaja através desta espiral, quando ele desce do infinito para o finito, e depois volta novamente. É uma espiral gigante que explicita a extensão do homem no tempo e no espaço; e ao final exato da espiral de seu retorno, ele deve apresentar contas do uso da energia, (utilizada) a cada passo do caminho.

O homem é julgado diariamente e a cada hora, como lhes foi dito. Mas chega um momento, quando a areia se esgota na ampulheta do Ser, e o seu esforço total deve ser examinado, e a determinação feita, se ele está pronto para ascender para a Presença de Deus, para ser contado entre os imortais, ou se deve ser retirado dele o que ele tem, porque ele usou sua oportunidade (de vida) para perpetuar o “véu de energia” (a ilusão maia) conhecido como “o mal”.

Se os Senhores do Karma e aqueles que se sentam no banco de julgamento no Tribunal do Fogo Sagrado, conhecidos como os vinte e quatro Anciãos, descobrirem que as energias que o indivíduo mal utilizou (em todas as suas encarnações na Terra) são de tal ordem (quantidade excessiva) que a exigência da Lei para o equilíbrio do karma (negativo), exceda a capacidade da alma (de pagar pelos seus erros), então o padrão de identidade da alma é anulado pela ação do fogo sagrado (a alma passa pela segunda morte), e sua evolução total desde o início até o fim do tempo, é apagada do Cosmos.

Esta é a segunda morte (da alma). Tudo, então, o que resta, é a Chama original ou, a Presença de Deus (o Eu Sou o que Eu Sou daquela alma, sua Presença Eu Sou individualizada), que se funde com a presença universal de Deus, o EU SOU, no Grande Sol Central, até outra época, num outro Manvantara, quando Deus desejar, mais uma vez, mandar aquela alma, diretamente da sua Chama individualizada, e fora desse projeto original (o plano divino para a alma), para que ela possa começar a evoluir no tempo e no espaço (tudo novamente).

(Manvantara ou Manuvantara, refere-se à idade de um Manu, o progenitor Hindu da humanidade, é um período astronômico de medição do tempo. Manvantara é uma palavra em sânscrito, uma combinação das palavras “Manu” e “Antara”, Manu-Antara ou Manvantara, significa literalmente, a duração de um Manu, ou o seu tempo de vida. Cada Manvantara é criado e governado por um Manu específico de uma “Raça Raiz”, que por sua vez é criado por Brahma (Deus), o próprio Criador. O Manu cria o mundo e todas as suas espécies durante esse período de tempo.)

A primeira morte, é a morte da energia solar, a (morte da) consciência do homem (a alma), através de sua descida para a consciência do pecado, quando acontece a separação da Fonte (O Eu Sou o que Eu Sou).

(Quando a alma deixa apagar a sua Chama Trina, por não pensar mais em Deus, e só pensar em si e em seus desejos carnais e emocionais.)

O Lago de Fogo descrito no livro do Apocalipse, que muitos temem, é apenas um foco do Fogo Sagrado, onde as criações errôneas da humanidade são consumidas e, onde ele próprio (a alma) é consumido no Juízo Final, se ele e seus trabalhos forem incapazes de resistir à prova de fogo. Esta ação consumidora é o processo natural de transmutação, em que a energia de Deus é liberada do ônus da impureza que o homem lhe impôs.

(Quando a alma pensa em Deus e serve o Seu propósito de vida, ela nada tem a temer, pois poderá passar pelo Fogo Sagrado sem se queimar, sem ser consumida. Apenas a imperfeição aos olhos de Deus é consumida, por isso, os caídos perdem tudo, pois eles nada possuem de perfeito aos olhos de Deus.)

A esta hora da conclusão da Era de Peixes e início da Era de Aquário, Eu me dirijo para os chelas da Irmandade em todo o mundo, para dizer-lhes que no final deste reinado de Jesus Cristo, de dois mil anos, e do exemplo vitorioso que ele apresentou para a humanidade, para que eles também pudessem fazer as obras que ele fez, muitos serão chamados diante do acento do tribunal (do Fogo Sagrado), muitos terão de prestar contas, e eles serão julgados "cada um segundo as suas obras." Apocalipse 20:13

Assim, é evidente que o homem não é salvo pela graça, a menos que suas obras mostrem que ele é digno de graça, que sai da Consciência Crística e é a recompensa daqueles que têm trabalhado fielmente na vinha do Pai.

Por isso o Fiat saiu de Alpha e Ômega, da boca de seu Arcanjo Uriel, pronunciando a oportunidade para os caídos dobrarem os seus joelhos e confessarem a realidade de Jesus Cristo, e do Potencial Cristico de cada homem, para abandonar seus caminhos, e tornarem-se emissários de luz, mesmo quando eles já foram emissários das trevas.

Esta é a chamada final para aqueles que são candidatos para a segunda morte, e que é tocado no final do cada época. Porque Deus é misericordioso e sua benignidade dura para sempre, e Ele deseja atrair para si, todos os que estão prontos e dispostos a aceitar a Lei da Vida, como a suprema oportunidade para o homem tornar-se um co-criador com Deus.

Os que morrem no Senhor, na Consciência de Deus e na obediência à Suas leis, nada tem a temer; para eles, a morte é apenas uma transição para uma glória maior.

"Bem-aventurado é o santo, aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre esses, a segunda morte não tem poder, mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos. - Apo 20:6”

Estes são aqueles “cujos nomes estão escritos no Livro da Vida”, - Apocalipse 20:12, pois os registros de seu bom karma, gravados em seus próprios corpos causais, testemunham o seu direito à imortalidade.

Mas, aqueles “cujos nomes não estão escritos no livro da vida”, são aqueles que não têm nada para mostrar adiante pela oportunidade de vida que lhes foi dada. E estes são os que são lançados no Lago de Fogo Sagrado (para serem repolarizados e suas energias corrompidas, recuperadas).

Peço-lhes então, para orar fervorosamente por aqueles que serão levados a julgamento (da segunda morte) este ano, e nos restantes anos deste Manvatara, para invocar a chama violeta que eu concentrei na “Caverna de Símbolos”, para este fim específico, a queima da escuridão das trevas, para que eles possam ser libertados, e possam fazer a escolha certa por Deus, por Cristo e, para a sua própria salvação.

(Caverna de Símbolos – é o retiro etéreo do Mestre Saint Germain, localizado em “Table Mountain”, as montanhas rochosas, nos arredores de Wyoming USA.)

E, em seguida, peço-lhes para encher a Terra com o conhecimento do Senhor, para que todos os que não conhecem a Cristo, possam aprender com Ele, que todos os que se perderam no caminho, podem encontrá-lo novamente, e assim fazendo, herdar a vida imortal.

Este e outros assuntos relacionados, serão objeto de nossa discussão quando vocês entrarem em seus corpos mais sutis, no Royal Teton, onde eu estarei dando palestras para aqueles que estão preparando seus quatro corpos inferiores para a sobrevivência através da transição e, para a transição através de sobrevivência.

Para aqueles que transcendem o tempo e a eternidade pela lei da transcendência, eu digo: Venham!

Na chama da liberdade, EU SOU

Saint Germain


Pérola de Sabedoria Vol. 4 No. 50 - Mestre Ascenso Jesus – 1961

- Tradução e comentários entre (parênteses) de Paulo R. Simões

(Esta Pérola faz parte dos ditados que originaram o livro "Corona Class Lessons". Ou em português, o livro a “Universidade do Espírito”.)

MISERICÓRDIA - “O Nosso Deus É Fogo Consumidor”

Amados, revelo-vos agora um mistério. Falou-se de Deus como sendo um fogo consumidor, e Ele o é de fato. O fogo sagrado é o ser de Deus. As chamas de Deus são todas as chamas de liberdade; sim, porque Deus é a Verdade, e o poder da Verdade liberta a todos por meio do batismo pelo fogo do Espírito Santo.

Por isso, criancinhas, não temei qualquer doutrina construída pelos homens que fazem crer que Deus deseja algo que não seja o melhor para vós. Ele não deseja ver-vos sofrer perpetuamente nem “para todo sempre”, mas anseia ver-vos tornar-vos perfeitos e íntegros n’Ele.

O Lago do Fogo mencionado nos escritos do amado João, dentro do qual são lançados “os medrosos, os incrédulos, os abomináveis, os homicidas, os adúlteros, os feiticeiros, os idólatras e todos os mentirosos”, é um lugar de transmutação e mudança onde o fogo sagrado perpetuamente autogerado e todo-consumidor, que encarna em si mesmo as qualidades da Mestria Divina, liberta toda Vida da dolorosa lembrança do pecador e da causa, efeito, registro e lembrança do pecado.

O pecado é temporal e sem dignidade. Deus é eterno e cheio de graça.

Lembrai-vos de que o meu amado apóstolo João declarou no Apocalipse recebido em Patmos, que o mar entregou os mortos que nele havia, e a morte e o inferno foram lançados no lago do fogo que arde para todo o sempre.

Primeiramente, deixai-me explicar que o mar que devolveu os mortos é o plano astral, a oitava de vibração mais baixa do planeta Terra, conhecida pelo nome de Geena ou Hades.

As pessoas cujo abuso do livre-arbítrio pela corrupção de energia divina resultou num carma excepcionalmente pesado recebem as suas lições naquele nível da escola terrena.

Aí, de acordo com a misericordiosa lei do carma, é-lhes dado experimentar os efeitos do mal, ou dos “pecados”, que cometeram, para que possam arrepender-se dos seus maus atos no ciclo seguinte de oportunidades, proporcionado pela reencarnação....

...O que é, então, a segunda morte, “reservada para o diabo e seus anjos” e para aqueles cujo nome não está escrito no Livro da Vida? Também ela é misericórdia de Deus que liberta o mundo da consciência do pecado.

Abençoados corações, está escrito na Epístola de Judas e nos livros do nosso Pai Enoque, bem como no meu Apocalipse dado a João, um registro sobre certos anjos “que não guardaram o seu principado, mas deixaram sua própria habitação”.

Devido aos seus ímpios feitos, estes anjos caídos foram mandados encarnar fisicamente por decreto de meu Pai, para desse modo serem condenados pelas suas próprias palavras e atos, que proferiram uma vez como blasfêmia nas oitavas superiores das quais foram expulsos, e que continuam agora com o seu escárnio da Minha Palavra nestes últimos dias”.

Assim, os escarnecedores da minha Igreja andam segundo as suas ímpias concupiscências, separando-se, “sensuais”, do meu Corpo Místico, “e não têm o Espírito”. Assim, está determinado que, até o Juízo Final, os que não se arrependerem nem quiserem arrepender-se dos seus atos, não podem receber o perdão, isto porque quebram a sua taça, até mesmo quando sou eu a oferecê-la diretamente da minha mão. Do mesmo modo, rejeitam o testemunho vivo, não desejando a comunhão com os santos, mas somente a vingança, contra mim e contra os meus.

Uma vez que desejaram não estar em Deus, roubando com subterfúgios a minha luz aos inocentes para consumi-la nos seus deleites e só para prolongar os seus caminhos malignos, a grande misericórdia da Lei cumpre o mandato (dado pelos vinte e quatro anciãos) da sua não-existência, da sua não-identificação com Deus, e o fogo sagrado cancela a consciência do pecado (consumindo estas almas e suas energias corrompidas, lançando-as no Lado do Fogo Sagrado), incluindo a não identidade daqueles que se identificaram completamente com eles...

...Isto é a segunda morte: a anulação da oportunidade futura de arrependimento para os malignos que não desejam qualquer remissão do pecado nem qualquer reintegração com o Pai por meio do Filho ou do Espírito Santo. A sua experiência com o livre-arbítrio falhou.

Nem habitarão eternamente no reino de Deus, nem sofrerão para todo o sempre no lago de fogo. O seu fim é rápido e suave, pois também eles esgotaram o seu desejo de conflito. Têm cometido suicídio espiritual há éons, e se não fosse a própria Vida misericordiosamente a “cortar o contato”, seriam eles próprios a fazê-lo no final da sua espiral de evolução.

Tentai compreender, preciosos corações, que o Pai já forneceu a solução para o dilema da incessante maldade dos anjos caídos. Assim, o lançamento da morte e do inferno no lago de fogo, significa que é chegado o fim da consciência da morte e do inferno, e todos os que de livre vontade encarnam este estado, todos os que ocupam o nível vibratório mais baixo do Hades, são julgados de acordo com o registro cármico das suas impiedosas obras de infâmia.

Quando são julgados e o plano que ocupam é lançado no lago de fogo, tanto eles como a sua situação cármica são totalmente transmutados (eliminados) nos fogos sagrados.

Aqueles que “não estão escritos no Livro da Vida” são os mesmos que há muito tempo perderam (deixaram apagar-se) a centelha divina devido ao seu abuso da Luz. Tornaram-se gente sem nome, não-entidades, destituídas de identidade em Deus.

A sua imagem, perdida, perdida porque a abandonaram deliberadamente, é também cancelada pelo fogo sagrado de Alfa e Ômega.

Quando isto ocorrer, os mundos em todas as oitavas serão vistos como “um novo céu e uma nova terra” e não haverá mais plano astral, nem habitantes nesse plano, porque todos terão feito a sua escolha, e a idade de ouro tornar-se-á a realidade da Vida universal para todos os que decidiram reivindicá-la para si próprios.

Jesus Cristo

 


- Os trechos dos ditados acima foram disponibilizados originalmente em inglês para os mensageiros Mark e Elizabeth Clare Prophet - Tradução e comentários entre (parênteses) de Paulo R. Simões


Voltar