O QUE OS MESTRES ASCENSOS DIZEM SOBRE...

A NOITE ESCURA DA ALMA E A NOITE ESCURA DO ESPÍRITO


 

1 - Pérola de Sabedoria Vol. 22  No. 6 - Arcanjo Gabriel - 1979

 

"Andai enquanto tendes luz" - João 12:35, é o mandamento do Senhor Jesus Cristo, e enquanto a Luz está encarnada "crede na luz, para que vos torneis filhos da luz" - João 12:36, pois esta é a oportunidade para a salvação que foi dada. Ó homens e mulheres que buscam a Palavra e o Senhor, neste dia, lembrem-se que a vocês também “Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; pois a noite vem, quando ninguém poderá trabalhar” - João 9:4.

A noite (a que Jesus se refere) é a “Noite Escura da Alma”, quando a escuridão que cobre a Terra é o própria carma retornando de cada indivíduo, (carma este) que eclipsa momentaneamente a luz do Filho de Deus (o Santo Cristo Pessoal).

E quando esse carma é equilibrado, há ainda o início da “Noite Escura do Espírito”, quando a luz do Sol (a Presença EU SOU) é retida para que o iniciado possa provar que a luz do Cristo, que está em seu coração, é a luz de uma devoção inabalável, porque confia na presença do Pai, mesmo quando essa Presença retira-se como o teste final da Gólgota.

Arcanjo Gabriel

 

Explicações ao pé da Pérola de Sabedoria:

Em ambos, na noite escura da alma, em que a luz da alma é eclipsada, principalmente pelo carma pessoal, e na noite escura do Espírito, em que a luz da Presença EU SOU é eclipsada pelo carma planetário, bem como, é uma iniciação Crística, o indivíduo precisa lidar com os testes exclusivos para sua corrente de vida, e, aqueles comuns a todos no caminho da ascensão.

Na noite escura da alma, "a escuridão que cobre a Terra" é o peso do carma retornando para cada indivíduo, enquanto ele também está aprendendo a enfrentar o carma do mundo. Ambos os tipos de carma ofuscam por alguns ciclos, a luz da alma, e, portanto, o seu discipulado sob o Filho de Deus.

Quando esse carma pessoal estiver equilibrado pela alma, ela deve forjar a identidade Crística, passar pelo casamento alquímico (da união da alma com o Cristo Pessoal), e estar em posição, se requerido, para manter o equilíbrio por algum peso carma planetário. Este último, ocorre como o início da noite escura do Espírito, que cada iniciado deve enfrentar, como a prova suprema de sua Cristicidade.

A noite escura da alma, carmicamente criada pelo livre arbítrio individual, é o teste da confrontação da alma com o seu próprio carma (negativo, criado) a partir do bem e do mal relativo, o pecado que pode ser perdoado; a noite escura do Espírito é a iniciação do encontro da alma com o Grande Deus, O Bem Absoluto, e, por este Bem que ele se tornou, por conquistar o Mal Absoluto, sua antítese.

Isto é experimentado como a presença e a ausência de Luz, como Cristo e Anticristo, assim como a participação ativa e passiva do Filho do homem vivendo nos ciclos de Armageddon.

Esta iniciação lida com “o pecado contra o Espírito Santo, que é imperdoável” - Mateus 12:31, o endeusamento do Mal Absoluto e a não rendição do “morador do umbral” (anticristo pessoal), frente ao rosto do Deus vivente.

A noite escura da alma é a tolerância da Lei, um período de graça para a alma separar-se do erro e transforma-lo; é o requisito para a alma conquistar o direito à iniciação da noite escura do Espírito.

Aqueles a quem foi dado os ciclos necessários para atravessar a noite escura da alma, mas não o fizeram, devem seguir em frente, não obstante (mesmo sem estar preparados), para a iniciação da Noite Escura do Espírito.

Esta é a iniciação da Presença EU SOU. É o princípio autolimitado da Lei, que não tolera o abuso do Cristo, pelo Anticristo. A última iniciação, dada ao santo e ao pecador, significa que a oportunidade de escolher estar junto com Deus, terminou para o indivíduo.

Depois e centenas de milhares e mesmo milhões de anos circulando pela roda de renascimentos, a alma/identidade que nega a Presença da cabeça de Deus, morando em Seu corpo, Sua Palavra e Seu Trabalho, são anulados pelo próprio decreto final ratificado pelo julgamento perante os 24 anciões na Corte do Fogo Sagrado, é a segunda morte, a morte da alma (Apocalipse 2:11; 20:6, 11-15; 21:8).

(É... meus irmãos, não dá mais para protelar.... quantas encarnações a mais nós precisamos? Para reconhecer Deus e amá-lo acima de tudo? O Espírito Santo vem como um ladrão, no meio da noite. Ninguém sabe a hora da vinda do julgamento do fogo sagrado. Este fogo para uns é a elevação, para outros é a morte eterna. Acima de tudo, vemos que este julgamento final... tão esperado por muitos como um evento mundial, pode ser exclusivo de uma alma... para alguns, pode vir hoje mesmo...)

 


2 - Pérola de Sabedoria Vol. 28  No. 21 - Mestra Vênus - 1985

 

As iniciações dos cinco raios secretos são descritas por São João da Cruz como a noite escura da alma e a noite escura do espírito, em seu trabalho “A Noite Escura.”

Vênus

 

Ensinamentos dos Mensageiros sobre São João da Cruz

E assim eu recomendo a vocês o ensinamento dos Mensageiros no caminho de São João da Cruz, na Chama Viva de Amor, que explica o casamento alquímico.

Pois não é como se vocês não estivessem unidos à Palavra viva, mas agora devem reconsagrar suas vidas ao casamento com Deus. Pois uma vez que plena fusão seja atingida, amados, ela não pode mais ser perdida.

Mas vocês já estiveram nesse ponto, quase na hora da realização com o Noivo, a Palavra viva. E ainda, o manter do equilíbrio para que esse evento se realizasse foi demais para vocês, e os caídos enviaram os mais espertos impostores do Cristo Cósmico, impostores do Senhor Maitreya.

E a iniciação do casamento alquímico, mais uma vez foi posta de lado, e isso representou a vocês, ciclo após ciclo, a espera uma vez mais, por dois mil anos, ou por cinco mil anos, ou por dez mil anos, quando os ciclos cósmicos mais uma vez trariam vocês face a face, com a iniciação do Senhor Maitreya.

---------------------------
A Noite Escura da Alma (São João da Cruz)

“Em uma Noite escura, com ânsias em amores inflamada, ó ditosa ventura! saí sem ser notada, estando minha casa sossegada.

A ocultas, e segura, pela secreta escada, disfarçada, ó ditosa ventura! a ocultas, embuçada, estando minha casa sossegada.

Em uma Noite ditosa, tão em segredo que ninguém me via, nem eu nenhuma cousa, sem outra luz e guia, senão aquela que em meu seio ardia. Só ela me guiava, mais certa do que a luz do meio-dia, donde me esperava quem eu mui bem sabia, em parte onde ninguém aparecia.

Ó Noite que guiaste! ó Noite amável mais do que a alvorada! ó Noite que juntaste Amado com amada, amada nesse Amado transformada!

No meu peito florido, que inteiro para ele se guardava, quedou adormecido do prazer que eu lhe dava, e a brisa no alto cedro suspirava.

Da torre a brisa amena, quando eu a seus cabelos revolvia, com fina mão serena a meu colo feria, e todos meus sentidos suspendia.

Quedei-me e me olvidei, e o rosto reclinei sobre o do Amado: tudo cessou, me dei, deixando meu cuidado por entre as açucenas olvidado.”

http://pt.wikipedia.org/wiki/A_Noite_Escura_da_Alma


3 - Pérola de Sabedoria Vol. 38 No. 33 - Maha Chohan - 1995

 

A crucificação foi a iniciação mais difícil de Jesus, seu solo. Se ele subjugaria a Morte e o Inferno por todos os tempos e restauraria aos filhos e filhas de Deus a chama da imortalidade, que eles haviam perdido quando, por sua desobediência, o SENHOR Maitreya os tinha banido do éden, deveria ele, Jesus, submeter-se à Noite Escura do Espírito.

Embora Jesus soubesse que esta iniciação viria e que deveria vir, ele não podia prever a agonia pela qual passaria sua alma. Repentinamente ele foi completamente isolado, cortado daquele a quem chamava de Pai.

Tudo o que ele tinha para prosseguir era sua Cristandade e a Presença do EU SOU O QUE SOU que ele tinha internalizado durante sua encarnação e em todas as suas prévias encarnações na Terra.

E, portanto, Jesus chamou: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” Pois mesmo o Filho de Deus não podia prever o abandono total da alma, que ele experimentaria na Sexta-Feira Santa, às três horas, e continuando até a sua ressurreição, ao amanhecer do domingo de páscoa.

A Grande Lei exigiu que o Filho de Deus, pelo manto de sua Cristandade, aniquilasse a Morte e o Inferno, por si mesmo.

O que o Senhor Jesus fez para nós, nós devemos fazer para outros. “Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos”.

Em seu nome vamos ministrar aos seus, e nas suas pegadas vamos dar a nossa vida em resgate para muitos.

Além disto, nesta Noite Escura na cruz, Jesus, o Filho de Deus, foi obrigado por lei cósmica, a segurar o equilíbrio para todas as evoluções da Terra, passado, presente e as que ainda viriam a nascer, durante a dispensação de 2.150 anos da idade de Peixes, que começou aproximadamente no seu nascimento.

Em resumo, Jesus foi o exemplo para todos os filhos e filhas de Deus que viriam depois dele, a submeterem-se às iniciações da crucificação, a ressurreição e a ascensão, assim como ele fez.

Maha Chohan


4 - Texto do livro "A Alquimia de Saint Germain" - de Elizabeth Clare Prophet da escola The Summit Lighthouse -

 

Em sua Pérola de Sabedoria de 8 de abril de 1979, Sanat Kumara contou a história de como devotos venusianos ofereceram-se como voluntários para acompanhá-lo e encarnar entre a humanidade, e para ajudá-lo a manter a chama:

“A alegria da oportunidade misturou-se à tristeza provocada pela sensação da separação. Eu havia optado por um exílio voluntário em uma estrela sombria. E conquanto ela estivesse destinada a ser a Estrela da Liberdade, todos sabiam que para mim aquilo seria como uma longa noite escura da alma.

Então, subitamente, dos vales e montanhas surgiu um grande número de meus filhos. Eram as almas dos cento e quarenta e quatro mil aproximando-se do nosso palácio de luz. Formaram uma espiral cada vez mais próxima de doze companhias entoando o cântico da liberdade, do amor e da vitória...

Observando da varanda, Vênus e eu, vimos a décima terceira companhia vestida de branco. Era o clero real da Ordem de Melquizedeque...

Quando todos se reuniram, anéis e anéis e anéis envolvendo nosso lar, e após o término do hino de louvor e adoração a mim, seu porta-voz postou-se diante da varanda dirigindo-se a nós em nome da grande multidão.

Era a alma daquele que vocês conhecem e amam hoje como o Senhor do Mundo, Gautama Buda.

E ele disse-nos: “Ó Ancião dos Dias, ouvimos falar da graça que Deus te concedeu neste dia e de teu compromisso de manter a chama da Vida até que algumas evoluções na Terra possam ser aceleradas e mais uma vez renovem os seus votos para serem portadores da chama. Ó Ancião de Dias, tu és o nosso Guru, nossa própria vida, nosso Deus. Não te abandonaremos sem conforto. Nós iremos contigo.”

Assim eles vieram para a Terra com Sanat Kumara e legiões de anjos, precedidos por outra comitiva de Portadores de Luz que preparou o caminho e estabeleceu o retiro de Shamballa “a Cidade Branca” em uma ilha do mar de Gobi (hoje o deserto de Gobi).

Ali, Sanat Kumara ancorou o foco da chama trina, estabelecendo o fio inicial de contato com todos os habitantes da Terra, estendendo raios de luz de seu coração para o deles.

E ali os voluntários de Vênus encarnaram em véus densos da carne, para acompanhar as evoluções da Terra até a vitória de sua promessa.

(Sanat Kumara é o grande salvador da Terra, planeta irmão de Vênus. Alguns de nós, viemos com Ele..., outros, fomos salvos por Ele...! Eu me curvo para a Luz Interior deste grande ser Iluminado! "O Ancião dos Dias - Sanat Kumara", eu te obedeço, eu te sigo, eu te espelho!) 

 


- Os trechos dos ditados acima foram disponibilizados originalmente em inglês para os mensageiros Mark e Elizabeth Clare Prophet - Tradução e comentários entre (parênteses) de Paulo R. Simões


Voltar