O QUE OS MESTRES ASCENSOS DIZEM SOBRE...

A ADOÇÃO DE CRIANÇAS


SERÁ POR ACASO? - DO LIVRO: QUERO NASCER - O BRADO DA ALMA

Uma descoberta muito interessante da pesquisa da Dra. Wambach refere-se à adoção. Alguns dos participantes da sua pesquisa disseram que, antes de nascerem, sabiam que seriam adotados. Ela diz o seguinte: “Alguns deles sabiam antes de nascer o relacionamento que teriam com os pais adotivos e que não poderiam chegar até eles como filhos biológicos; então escolheram o método da adoção”.

Ela concluiu que “aparentemente, a sorte ou o acaso não tiveram nada a ver com a adoção”, confirmando o que muitos instrutores espirituais têm dito: não há acidentes em relação aos pais, aos pais adotivos ou à criança. Pode ser que determinada mulher só necessite dar à luz a uma criança para equilibrar o seu karma com essa alma.
Ela pode então oferecer essa criança a outros pais, que estejam destinados desde o início para cuidarem-na e amarem-na como se fosse sua.

Verdadeiramente, a gravidez não teria ocorrido se Deus não tivesse ordenado a concepção daquela criança. Nunca houve um nascimento neste mundo que não fosse sancionado por Deus Todo-Poderoso e pelo Espírito Santo, pois, onde houver uma concepção, lá estarão a mão e a vontade divinas.

Esses conceitos podem mudar vidas se partilhados com pais que se sintam despreparados ou não estejam com vontade de criar uma criança e podem estar pensando em abortá-la. Podemos amar e cuidar da futura mãe, especialmente se ela não for casada. Podemos ensiná-la a amar o bebê que concebeu e encorajá-la a tê-lo. Se ela escutar a história da vida da alma no ventre, poderá entregar a criança para adoção, se achar que não pode ficar com ela, sabendo que seu bebê pode estar no lugar certo e seguir seu plano divino. Dessa forma, os pais fazem bom karma ao trazer aquela criança ao mundo, em vez de fazerem um mau karma, abortando-a.

Não existe uma criança indesejada. Deus ama todas as crianças. Deus amou você no princípio, tem amado ao longo dos problemas da vida e sempre amará, até seu regresso ao lar, no Seu coração. E, embora alguns pais possam não querer crianças aqui na Terra, elas não serão indesejadas, pois há muitos pais que desejam recebê-las.
No céu não existem crianças indesejadas. Quando a Terra as rejeitam, os anjos recebem-nas de volta no seu lar de amor e luz.

Elizabeth Clare Prophet


Ditado de Saint Germain e Pórtia dado à mensageira Elizabeth Clare Prophet
- Pérolas de Sabedoria - Vol. 45 N° 06 - da The Summit Lighthouse
- Tradução Paulo R Simões

A HORA É CRUCIAL: Ide e Fazei o que Precisa Ser Feito

Se pudésseis ver as pilhas sobre pilhas de planos que temos sobre a nossa mesa do Conselho de Darjeeling, nos nossos lares e em vários lugares, amados, compreenderíeis que estamos avançando e que há uma grande intensificação em todos os níveis do ser. Pois se diz que aqueles que estão aqui na Terra estimulam aqueles que estão no mundo celestial, e foi isto que realmente aconteceu, amados.

Assim, vemos o que poderá ser o futuro deste lar de luz, deste corpo planetário. E o que ele pode ser em primeiro lugar, amados, é essa ação do fogo sagrado por meio da qual tendes um tal fogo de chama violeta - vindo de Omri-Tas, vindo do governante do Planeta Violeta e de todos aqueles que servem a chama violeta - que tem de haver, pode haver, e haverá uma tremenda intensidade e multiplicação de chama violeta durante os restantes dias desta conferência.

Nós vos saudamos, amados, pois estamos gratificados por tantos de vós terdes vindo a este lugar, multiplicando vossos números, multiplicando vossos corações e almas. E tal como podeis ver e sentir a intensidade desta luz, também sabeis que coisas maravilhosas estão acontecendo. Podeis vê-las diante dos vossos próprios olhos; podeis vê-las diante do sol, das estrelas, das galáxias: e saber que este velho mundo está sendo mudado. E se o fizerdes suficientemente depressa, amados, talvez possamos vira-lo de novo e endireitar o seu eixo e trazê-lo ao centro do Controle Divino.

As Crianças do Mundo Inteiro Precisam Ser Educadas

Os nossos corações são tão dedicados quanto os vossos, amados. Queremos ver as crianças serem educadas no mundo inteiro. Queremos vê-las acelerar. Queremos vê-las fora de programas que muito simplesmente não funcionam. Queremos que as crianças de luz e todas as crianças deste lar planetário tenham excelentes padrões de educação. Isto é uma necessidade. E precisais conseguir isto e precisais estar determinados e fazer os chamados e o chamado do juízo.

Precisais invocar a chama violeta para que muito simplesmente ela engula e agarre essa energia que eles gostariam de inverter e transformar em métodos errados. E usai essa chama, usai essa luz de todos os cantos do universo para que traga a educação adequada, os ensinamentos corretos, o corpo docente adequado, às almas que realmente compreendem que é o Instrutor que está no coração - que é o “homem escondido no coração”, que é o Santo Cristo Pessoal que vem ensiná-los a cada manhã, quando vão para as suas salas de aula. Esta é a compreensão que tendes na escola Montessori International, e isso também é compreendido em muitas partes do mundo.

Mas não é compreendido em todos os lados, e, portanto, muitas, muitas crianças não recebem os conhecimentos básicos da leitura, escrita e aritmética enquanto ainda são pequenas e enquanto podem dominar esses passos iniciais e ficar com esse conhecimento no momento adequado.

Abençoados, sabeis isto há séculos. Falo-vos de novo do Deus e da Deusa Meru, que continuam tão interessados como sempre em vos levar de volta ao centro, para ajudar as crianças a ter essa iluminação. Que isso aconteça, amados, que as crianças mais pobres da América do Sul e do mundo inteiro recebam esse treinamento. Que elas recebam, amados, pois são maravilhosas almas de luz.

Fazei com que a alimentação seja adequada. Que o vosso serviço seja adequado. Vede se tudo que pode ser feito está sendo feito e será feito. E, depois, nós vos aplaudiremos no final desta corrida; pois isto é uma corrida em tem um horário, e é uma obra monumental, amados.

Recebei nas Vossas Casas as Crianças de Luz Órfãs

Há muitos portadores de luz que podem fazer isso. Mas não devem dizer: “Eu, não; outro que faça”. Todos precisam dizer: “Sim! Esta é uma vida preciosa. Pode ser alguém de grande majestade, pode ser alguém capaz de mudar o mundo. Precisamos educar, precisamos encontrar, precisamos juntar todos os pequeninos, e precisamos trazer para os lares dos Estados Unidos da América todas as almas que não têm pai ou mãe, nem um, nem outro“.

Amados, esta é a tragédia desta hora, compreender que nesta grande nação não há pessoas capazes de levar para os seus lares crianças de luz que possam ser alimentadas, que possam ser compreendidas, que possam ser ensinadas, que possam entrar numa chama de amor e, portanto, não se sentirem totalmente abandonadas desde a tenra idade, embora pareça que têm muitas coisas à sua roda para sustentá-las.

Abençoados, não deixeis estes órfãos em lares (orfanatos), mas levai-os para o vosso lar. É um grande fardo para uma criança não ter pai nem mãe. Sabei isto, amados, e atuai. Para estas crianças se tornarem líderes na próxima década e no próximo século, elas precisam ter toda essa compreensão, todo esse amor, todo esse verdadeiro ensinamento, que lhes é dado quando recebem uma educação correta e adequada.

Temos batido nesta tecla durante muitas, muitas, muitas décadas, e continuaremos a fazê-lo. Mas lembrai-vos, amados, vós que negligenciais as crianças enquanto os anos passam – cinco anos, dez anos, e por aí fora – quantos anos faltarão para estardes prontos a receber em vossa casa e na vossa vida crianças que não têm pais, crianças que, muito simplesmente, são órfãs?

Falo-vos sobre isto, amados, porque é realmente possível que aqueles que olham para o outro lado quando se trata de órfãos e de sem teto, podem um dia estar encarnados (na mesma situação). Isto, amados, não é uma ameaça; é a absoluta realidade. É certo que quando não dais de vós mesmos, essa (situação) retorna para vós.

Há Muitas Áreas Onde Podeis Assistir a Vida

Falo-vos, então, não só sobre educação, mas sobre drogas e dietas que estão matando as crianças, sobre os cigarros e todas as manifestações prejudiciais que existem agora. E estas manifestações, amados, estão entre as piores que surgiram nesta nação em muitos, muitos anos. Vós compreendeis isto. Vistes o que os adolescentes estão fazendo. Vistes como eles estão destruindo os seus corpos, como estão destruindo suas almas. Isto tem continuado e continuado. Precisais mudar, olhar para eles, encontrá-los, ajudá-los, falar com eles. Quem lhes contará as coisas. Quem lhes contará?

Há muitas formas de ajudar a vida - há muitas formas, amados. Portanto, entrai numa área de trabalho para a qual possais contribuir e ainda manter o vosso lar e a vossa família. A hora é crucial. A hora é crucial. Isto é uma coisa que pode perturbar a vossa vida? Que pode perturbar o vosso lar? Que pode perturbar aqui ou ali? Pois bem, perturbai-vos, amados.

Digo-vos isto. Pórtia está comigo, falo-vos: Este é o momento e a hora para reconhecer isto: Não podeis criar pés de feijão ou pés de milho ou qualquer outro tipo de manifestação. Precisais criar seres humanos vitais e viventes que têm um coração - antes que esse coração pare, antes que essa chama se apague, antes que eles percam a consciência e não sintam culpa, seja em assassinatos em outros aspectos da vida.

Por Favor, Não Olheis Para o Outro Lado

Sabei, então, que precisais ver a escrita na parede e que estas coisas não desaparecerão. De um lado temos a maior esperança para uma Era de Ouro de Aquário em todo este continente. E El Morya patrocina-a e aqueles que estão neste continente e neste hemisfério também a estão patrocinando.

Depois, há aqueles que podem nunca conseguir vencer, que podem não se tornar cidadãos cumpridores das leis, mas aqueles (indivíduos) que matam e estropiam a vida, pois não sabem o que fazem. Sim, amados, Pórtia e eu contamos convosco para mudar muitas coisas. Por favor, não olheis para o outro lado. Vós estais no comando. Sois os adultos desta hora. Vós sois os que têm a vida, a luz, a energia, a vontade e a alegria para ajudar muitas, muitas crianças. Isso precisa ser feito, pois muitos pais não sabem ser pais.

Peço-vos que leveis convosco esta mensagem sobre educação, sobre o coração e o aprendizado, sobre o amor, sobre servir. E lembrai-vos dela e lembrai-vos dela até ao último alento de vida na Terra. A vida é para ser vivida, amados; é para ser vivida por todas as pessoas. Se metade das pessoas ou um quarto das pessoas, ou algumas das pessoas, especialmente as crianças, não tiverem esse patrocínio, esse amor, esses cuidados, o que acontecerá à civilização?

Penso que já sabeis. Penso que o que eu disse deverá bastar. Assim, amados, neste dia quatro de Julho, vimos lembrar-vos que muitas pessoas na América não tem comida. Muitas não têm onde morar. Muitas deixaram os pais há anos -adolescentes se deslocando em grupos por este país. Precisais expulsar a dureza do vosso coração. Precisais sair e fazer o que tem de ser feito. Esta é a vossa civilização. Sim, esta é a vossa civilização.

Recomendo-vos agora à Deusa da Liberdade, que também gostaria de falar-vos sobre a própria chama da liberdade.
Saint Germain e Pórtia
-------------------------------
Este ditado de Saint Germain e Pórtia, foi transmitido pela Mensageira da Grande Fraternidade Branca, Elizabeth Clare Prophet, na sexta feira 4 de Julho de 1997, durante a classe de verão, Espiritualidade e Prática, Uma Conferência de Seis Dias Sobre Como Viver Uma Vida Espiritual, realizada no Sheraton San Diego Hotel e Marina, em San Diego, Califórnia, E. U. A.


E QUEM NASCE COM DEFICIÊNCIAS FÍSICAS?

Toda criança concebida tem um plano, um desígnio divino. Alguns dizem que uma criança com deficiência é “indesejada” ou “deficiente” e, portanto, não deveria nascer neste mundo.

O renomado pediatra e antigo cirurgião geral dos Estados Unidos, C. Everett Koop, diz o seguinte: “Foi minha experiência constante que a deficiência e a infelicidade não andam necessariamente de mãos dadas. Algumas das crianças mais infelizes que conheci, tinham todas as faculdades mentais e físicas e, por outro lado, algumas das mais felizes que conheci, suportavam fardos que eu mesmo acharia muito difíceis de carregar”.

De algum modo, todos nós somos “deficientes”. Todos nós temos limitações e imperfeições que, na velhice, podem se tornar bastante severas. O propósito da vida não é estar livre de deficiências ou de fardos, mas vivê-la ao máximo, ser tudo o que deveríamos ser, realizar a missão pela qual encarnamos.

Quem somos nós para dizer que uma vida não vale a pena? Só Deus pode tomar essa decisão. Helen Keller provou que vale a pena viver e lutar pela vida. Como poderemos esquecer a extraordinária determinação da arrojada moça cega, surda e muda que superou a escuridão total da sua infância para tornar-se autora, educadora e palestrante invulgar?

O ultraje público em relação à morte, em 1982, de um bebê do sexo masculino com síndrome de Down ilustra esse ponto. Doe nasceu em uma sexta-feira santa, em 9 de abril de 1982, com síndrome de Down – um distúrbio genético em que pode haver vários graus de atraso mental e, por vezes, defeitos físicos graves. Os pais tomaram a decisão, ratificada pelo Supremo Tribunal de Indiana e pelo seu médico, de não fornecer alimento e tratamento médico à criança, permitindo que ela morresse, por acharem que nunca seria capaz de usufruir de uma existência “significativa”. Para eles, esse foi um ato de amor.

O bebê morreu de fome e desidratação em 15 de abril, depois de uma tentativa malsucedida de cidadãos interessados que, trabalhando pelo sistema jurídico, tentavam entregá-lo aos cuidados de um dos 10 casais que se tinham oferecido para adotá-lo.

Em 21 de abril de 1982, o Los Angeles Times publicou um editorial da autoria de George F. Will, intitulado: “Quando Matar se Torna uma Conveniência”, e um desenho de Conrad, em que ambos tecem comentários sobre o bebê Doe. Will escreveu: “Quando um comentarista tem interesse direto e pessoal em um assunto, deve dizê-lo. Jonathan Will, 10 anos e fã dos Orioles (e o melhor jogador de Maryland), tem síndrome de Down. Ele não “sofre” (como alguns jornais costumam dizer) de síndrome de Down. Ele não sofre de nada, exceto de ansiedade por causa do mau desempenho dos Orioles.

Ele está muito bem, obrigado. Mas é provável que venha a ter bastantes problemas ao lidar com a sociedade – para receber o que tem direito, muito menos simpatia. Ele pode passar sem as pessoas que afirmam, pelas suas ações, o princípio de que seres como ele estão aquém de serem totalmente "humanos”.

O desenho de Conrad, intitulado “Eles Matam Cavalos, Não Matam?”, mostrava um bebê esquelético, deitado em um berço de hospital. Uma nota no berço dizia: “Raio X da Morte pela Fome da Síndrome de Down”.

Em uma carta ao editor (Los Angeles Times, 1º de maio), Donna Parun, de San Pedro, Califórnia, escreveu: “Depois de ter recortado o desenho que Conrad fez do bebê com síndrome de Down, morrendo de fome no berço, deixei-o na mesa da cozinha. Meu filho de 10 anos, que tem síndrome de Down, pegou-o e olhou. Ele gosta de ver desenhos e disse: “Mamãe, este bebê – eu? ” E eu respondi: “Sim, ele é como você, mas eu não o deixarei morrer de fome”.

Ele olhou para mim e disse: “Ó, por que não?” Ele faz essa pergunta a quase tudo. E eu disse: “Porque te amo, Mathew”. E, retomando o sorriso, ele respondeu: “Eu a amo”.

Em resposta à reação pública sobre a morte trágica do bebê Doe, o presidente Ronald Regan anunciou, em 30 de abril, que a ajuda federal seria recusada a qualquer hospital ou agência de saúde que não dessem assistência médica aos deficientes.

Pessoas nascidas na maior pobreza e nas piores circunstâncias podem elevar-se e tornarem-se grandes líderes, capazes de influenciar os destinos das nações. O presidente Abraham Lincoln nasceu de pais sem instrução e foi criado em uma casa de madeira, nas florestas de Kentucky. O famoso abolicionista Frederick Douglass nasceu e foi criado como escravo. O inventor e gênio da tecnologia Thomas Edison frequentou a escola durante três meses da sua vida porque o professor achou que ele era atrasado mental.

Jesus Cristo nasceu em um estábulo, de pais que, pelo menos temporariamente, eram pessoas sem teto. Existe algo que está acima do corpo e das circunstâncias de nascimento. É o impulso da alma e o espírito que dão caráter, direção e ímpeto a um indivíduo. Muitas pessoas têm um karma grave. Podem ter cometido crimes horrorosos em vidas passadas, como assassinatos e pedofilia. Tais indivíduos podem, de acordo com a lei do seu karma, ter de reencarnar em circunstâncias que não são ideais.

O propósito do karma nunca é castigar, mas nos ajudar a aprender com nossos erros passados e, por vezes, a única forma de o fazermos é experimentarmos em primeira mão o que fizemos aos outros. As duras lições da vida são muitas vezes o que nossa alma precisa para avançar espiritualmente – não apenas pela expiação do karma, como também por meio de iniciações, testes e sacrifícios.

A família e o ambiente em que nascemos, os amigos, os inimigos e os desafios que encontramos ao longo da vida são parte do maravilhoso e intrincado padrão da vida. Esse padrão da mente de Deus nos é dado para que possamos superar todas as coisas por meio do Cristo que nos fortalece e, no final da encarnação, voltarmos para casa como graduados na escola da Terra.

Porque a religião moderna no Ocidente não ensina os princípios do karma e da reencarnação, as pessoas não podem ter uma verdadeira compreensão das muitas situações que nossa sociedade enfrenta. Eliminar a dor e o sofrimento à custa da evolução da alma não é a sabedoria das leis de Deus. A alma precisa aprender as lições do karma. Se lhe forem negadas essas oportunidades, ela pode ficar isenta dos ingredientes necessários para sua integridade e regresso para Deus. Mesmo que se saiba antecipadamente que uma criança nascerá com certas deficiências e dificuldades, ela tem o direito de viver para expiar seu karma por meio daquele corpo.

Também devemos nos lembrar de que a situação pode não ser proveniente do karma. Algumas almas muito elevadas se oferecem para encarnar em um corpo deficiente como um sacrifício pelos outros. Se o feto for abortado por não ser fisicamente perfeito, as vidas que essa alma deveria ajudar têm de passar sem o seu amor e sem o seu sacrifício em seu favor.

Realmente, a alma pode ser mesmo um Cristo ou um portador de luz com uma mestria budica que se ofereceu para entrar naquele corpo fisicamente imperfeito para ajudar a (evolução da) Terra, expiando karma mundial. Quando um aborto é recomendado porque o feto é “imperfeito”, como pode alguém saber se sua alma está encarnando para cumprir o resto do seu karma e depois ascender? Como pode alguém saber se um Cristo está vindo ao mundo, para acabar sendo crucificado no ventre?

Se a criança for dada para adoção, outras pessoas terão a oportunidade de cuidar dela. Ao fazê-lo, poderão alimentar a chama da misericórdia em seus próprios corações, cuidando de uma criança que não é fisicamente perfeita. É melhor deixar que Deus determine o que vai se manifestar e que os pais aceitem o cargo de serem realmente pais.

Certas condições são genéticas e outras são karmicas. Todavia, algumas dessas condições karmicas também podem ser aliviadas pela misericórdia do pai e da mãe que ganharam sabedoria e conseguem compreender qual a química corporal correta para apoiar a vida no ventre.

As circunstâncias da vida são para aprender suas lições. Deus está nos ensinando de muitas formas, incluindo experiência e karma. Não podemos aprender apenas com os livros. Viemos da vida e temos de ir buscar nela algumas das nossas lições mais importantes.
Elizabeth Clare Prophet
- DO LIVRO: QUERO NASCER - O BRADO DA ALMA



(Elizabeth com seus 4 filhos)

O Aborto não é um Método de Controle de Natalidade.

O uso do fogo sagrado é uma responsabilidade sagrada. O planejamento familiar e o uso de anticoncepcionais são necessários e importantes. Mas devemos entender que somos co-criadores com Deus e nós não podemos ver o sexo meramente como uma forma de prazer. É um recurso para a criação de templos corporais para abrigar almas destinadas a desenvolver-se nesta Era.

A maioria de nós tem um karma para resgatar na vida porque afligimos a vida no passado. Trazemos ao mundo crianças, porque é nossa responsabilidade e porque tendo filhos nós aprendemos a amar e a nos importar com a vida em si. Muitas pessoas que abortam crianças na sua adolescência e juventude não são capazes de ter crianças outra vez. E eu aconselho a tais pessoas, que em sofrimento e aflição não tem e não conseguem ter seus filhos, pois esta oportunidade da vida já os deixou de lado.

Assim eles fugiram de um elemento essencial do karma em suas vidas, quando, em vez de escolher o aborto, eles podiam ter gerado essa criança e entregue para a adoção ou então cuidado dela mesmo com sacrifício pessoal. De qualquer forma, eles teriam tido a realização karmica de dar uma vida a essa alma.

Eu acredito que a solução para as gestações indesejáveis, seja cuidar das gestantes, fornecendo-lhes casa para dar à luz a estas crianças com segurança. O problema com a América e o Ocidente hoje é que nós consideramos que a vida não necessita de sacrifício, mas sim, ela exige.

E a gestação é um sacrifício assim como uma submissão a Deus e ao nosso chamado divino. Devemos lembrar que uma das razões para Israel e Judah terem sido levados ao cativeiro foi a sua prática habitual de sacrificar seus primogênitos.


Desde 1973 houve 22 milhões de abortos nos Estados Unidos da América. Eu digo a vocês que é por isto que nós somos vulneráveis à cavalgada dos Quatro Cavaleiros. Não só pelo karma de tomar a vida com a espada (esses que tomam a vida com uma faca cirúrgica são obrigados a perder sua vida pela espada de alguma forma), mas também pela perda de 22 milhões de americanos que não estão encarnados hoje. Eles não podem cumprir seu destino, unir-se a nós, lado a lado, aprender conosco, segurar as nossas mãos, compartilhar alegria e felicidade conosco, apoiar-nos.

Muitas destas almas são Portadoras de Luz, os precursores da Era de Aquário. Imagine a perda de tal criatividade! É incalculável e final. Isto destruiu a mandala que era para surgir de acordo com o projeto do plano divino de nascimento planetário.

Recentemente eu estava no altar do Rancho do Royal Teton fazendo invocações e vi a multidão de almas que tem sido abortada e que tem sido privada de corpos físicos e que ainda têm o desejo tremendo de estar entre nós. Eles pediram a mim para clamar por justiça divina, pois a eles tem sido negado o seu direito viver sobre Terra neste tempo.

Eles tinham uma combinação de raiva, frustração e vontade de viver. E souberam que através das orações daqueles como nós na Terra, (os que estão orando aos anjos e aos mestres ascensos) eles poderiam ter essa oportunidade se fizéssemos os chamados em seu favor para intercessão divina de modo que eles talvez tenham a oportunidade de nascer.

Se irão ter essa oportunidade, como eu vejo hoje, terá que vir depois deste ciclo de 12 anos porque nós não podemos estar certos de que durante esse tempo nós seremos capazes de dar à luz e trazer à vida crianças com saúde e paz. No entanto, há almas que estão destinadas à encarnação neste período, seja como for.

Vejo o ano 2002 chegando e é uma oportunidade de começar uma nova vida e uma nova era. Temos que assegura-nos de que nós sobrevivemos fisicamente ao tumulto que é decretado por nosso karma. Se e quando sobrevivermos, podemos trazer estas almas, cujo tempo chega, para ajudar-nos a manifestar a idade de ouro. E então, continuo a fazer chamados para justiça e intercessão divina em favor destas almas que foram abortadas.

Apenas pense nisto. Elas estão plenamente conscientes quando estão sendo abortadas. Experimentam a dor assim como você o faria se alguém o assaltasse no Central Parque e esfaqueasse você. Esta é a experiência quando uma dilatação e curetagem ou dilatação e evacuação é praticada ao abortar uma criança. A curetagem é praticada em qualquer tempo entre a concepção e as 12 primeiras semanas (3 meses) de gestação. A evacuação é usada entre as 12 semanas as 24 semanas (6 meses). Em ambos os casos, a cérvix é dilatada, ou é esticada, pelo abortador e um instrumento agudo e cortante é inserido no útero.

O abortador usa este instrumento para cortar o feto em pedaços e então raspar o revestimento interno do útero para assegurar-se de que todos os pedaços serão retirados. No método de evacuação, (utilizado entre 3 e 6 meses) a criança é suficientemente grande de modo que o abortador precisa esmagar a cabeça da criança para torná-la suficientemente pequena para que possa retirá-la.

Mais da metade (52 por cento) dos abortos anuais na América do norte são executados antes da oitava semana (2 meses). O coração começa a bater ao redor do vigésimo quinto dia (menos de um mês), antes mesmo da mãe saber que está grávida. Pela sexta semana (1 mês e meio), ondas do cérebro e do coração podem ser registradas.

Geraldine Lux Flanagan em seu livro "Os Primeiros Nove Meses de Vida" descreve o bebê em sua sétima semana (menos de dois meses): "Apresenta as características familiares e todos os órgãos internos do futuro adulto, mesmo que seja menor que uma polegada de comprimento e pese um trigésimo de uma onça. Tem um rosto humano com olhos, orelhas, nariz, lábios, língua e mesmo brotos de dentes de leite nas gengivas".

Pela oitava semana (dois meses), o bebê tem mãos minúsculas com cinco dedos, uma palma permanente, e as próprias impressões digitais únicas. O que é mais importante: ele já pode sentir dor. E 832.000 dos 1,6 milhões de abortos realizados anualmente são em bebês de oito semanas (que sentem cada uma das dores causadas por esta violência).

91% de todos os abortos são executados antes do fim da décima segunda semana (3 meses). No final da décima segunda semana no útero, o bebê tem músculos e nervos e praticamente cada parte do seu corpo responde ao toque. Nesta fase, o pequenino já pode entortar os olhos e franzir as sobrancelhas, chutar e chorar (embora ele não faça nenhum som), engole e digere fluido amniótico.

Seus músculos faciais são posicionados de acordo com seu padrão genético e, como Flanagan escreve, "as expressões faciais do bebê no seu terceiro mês já são semelhantes às expressões faciais dos seus pais".

O método de sucção também é usado em bebês de dez semanas (2 meses e meio) ou mais jovens. O feto é aspirado do útero de sua mãe por uma sucção 29 vezes mais forte e poderosa do que um aspirador doméstico.

O método de aborto por introdução de solução salina é usado num bebê de 13 a 16 semanas (4 meses) ou mais velho. Um bebê de 16 semanas pode dar cambalhota, apertar com a mão e chupar o polegar. O abortador injeta 100 ml de uma solução salina concentrada no saco amniótico do bebê que literalmente é envenenado pelo sal. A sua pele é consumida, expondo a camada subcutânea, vermelha e crua. Ele pode entrar em convulsões, e morre em cerca de uma hora depois. A mãe entra em trabalho de parto e expulsa o bebê morto. Às vezes um bebê abortado desta maneira nasce vivo; alguns sobreviveram e foram adotados.

O último método de aborto que eu quero tratar aqui é a histerotomia. Pode ser executado a qualquer momento durante os últimos três meses (entre 6 e nove meses) de gravidez. De acordo com um panfleto de Gary Bergel escrito anteriormente pelo Cirurgião Geral C. Everett Koop, numa histerotomia, "o acesso ao útero é realizado por cirurgia através da parede do abdome". "O bebê minúsculo é retirado e é abandonado para morrer por negligência ou às vezes assassinado por um ato direto". A maioria dos bebês abortados por histerotomia estão vivos ao saírem do útero e são deixados para morrer, (em sacos de lixo, ou em uma bandeja) ou em alguns casos são estrangulados ou sufocados pelo abortador.

Os grupos pró-aborto argumentam que histerotomias são feitas em pouquíssimos casos. Mas, de acordo com dados do Instituto Alan Guttmacher, 640 histerotomias são executadas legalmente nos Estados Unidos por ano. Hoje em dia, a medicina considera ser possível a um feto nascer, depois de seis meses. Isso é, podem sobreviver fora do útero com os cuidados adequados. Tem-se conhecimento de que bebês prematuros, nascidos tão cedo quanto quatro meses e meio depois da concepção, sobreviveram.

E ainda um por cento (15.000), dos abortos anuais são executados em bebês com cinco a nove meses de gestação. Não se deixe enganar sobre isto! Estes bebês não são partes dos corpos das mães. Não são amontoados de tecido. São vidas e assim é como tornamo-nos insensíveis à vida, preferindo adorar o deus da luxúria a dar a vida a estas belas almas.

Eizabeth Clare Prophet
- Mensageira da Grande Fraternidade Branca


- www.abortonao.com.br  -