O QUE OS MESTRES ASCENSOS DIZEM SOBRE...

OS FALSOS ENSINAMENTOS DESMASCARADOS
– Um Exposé de Falsos Ensinamentos –


Pérola de Sabedoria Vol.19 No. 7 - Kuthumi e os Irmãos do Manto Dourado - 1976

Àqueles que fervorosamente buscam a verdade do Deus Altíssimo:

Enquanto viajamos de cidade em cidade, supervisionando os conceitos errôneos que se instalaram na consciência da humanidade, como um pólen venenoso, nós estamos felizes em repousar nos prados da Mãe, fora das movimentadas trilhas das rodovias e super rodovias que os homens criaram para conectar os centros do seu erro concentrado.

Nós escrevemos a nossa última carta quando fizemos uma pausa, ao lado de um tranquilo córrego no interior (do estado de) Wyoming (no EUA), para meditar na Mãe e contemplar determinados fatos dos falsos ensinamentos que pesquisamos na biblioteca do Retiro do Royal Teton.

Nós oramos para que nos perdoe pelo nosso interlúdio poético, na quietude do vento que sopra e das nuvens de inverno que se movem com rapidez.

Agora, os nossos hábitos franciscanos, levados pelos ventos do Espírito, apressam-nos a retornar com diligência à tarefa da Mãe - a maravilhosa tarefa de aliviar o fardo das almas que buscam a verdade vivente, das mentiras do Caído (Lúcifer).

Eu dirigi esta carta e toda a nossa revelação dos falsos ensinamentos, àqueles que fervorosamente buscam a verdade vivente; pois eu sei que aqueles que não são sinceros em sua busca por Deus, vão se rebelar contra a revelação e apontarão o dedo ao porta-voz, a nossa mensageira encarnada (Elizabeth Clare Prophet).

Que eles a acusem, se assim o desejarem! Ao fazerem isso eles procuram desculpar a premissa e a conclusão de seu próprio erro. Venham agora, raciocinemos juntos sobre a Palavra pronunciável e a (Palavra) impronunciável.

Para todo ensinamento que o Senhor Deus enviou através dos seus servos em todas as eras, há um falso ensinamento baseado em meias-verdades, que se transformam nas ruidosas mentiras que os falsos instrutores transmitem.

Nós, que procuramos separar os fios da verdade e do erro entremeados no tecido da consciência das massas, dificilmente podemos denunciar este ou aquele guru, este ou aquele ensinamento, sem uma cuidadosa explicação do embaralhamento das criações verdadeiras com as falsas.

Na base de toda mentira, encontra-se a verdade a partir da qual a mentira foi elaborada. Precisamos extrair a verdade, preservá-la como uma chama vivente, e providenciar para que todo erro residual seja consumido no Sagrado Nome de Deus.

O nome de Deus, EU SOU O QUE EU SOU, é a Palavra pronunciável. Pode ser falado e precisa ser falado, para liberar o Fogo Sagrado Todo-Consumidor de Deus, revelado a Moisés.

Este é o inextinguível fogo da Palavra vivente que declarou: "Este é o meu nome para sempre, e esta será a minha memória, de geração em geração".

Mesmo assim, ensinaram aos judeus e aos filhos de Israel a mentira de que é blasfêmia falar o nome de Deus.

Através desta mentira, eles impediram que as crianças da Mãe pronunciassem o nome de Deus, o Pai, completando assim, os ciclos do fluxo da vida na Mater (Matéria), assim como no Espírito, embaixo como no alto.

Simbolicamente, eles selaram o portão da Cidade Santa, bloqueando a entrada de Jerusalém por onde Jesus entrou no triunfo do Cristo de todo filho e filha de Deus, no "Domingo de Ramos", no mesmo portão onde se espera que ele apareça no Segundo Advento (segunda vinda do Cristo).

Assim, eles negaram acesso tanto aos judeus como aos gentios - as gerações que receberam a revelação - ao poder do nome EU SOU e ao glorioso e sempre vitorioso caminho da cruz e à coroa que supera e transcende o luto e o pesar da via dolorosa.

E, no entanto, Cristo disse: "EU SOU a porta aberta que nenhum homem pode fechar”.

Crianças da Mãe, vocês precisam reivindicar o EU SOU O QUE EU SOU dentro de vocês, personificado como o seu próprio Cristo Pessoal, como a porta aberta para a consciência cósmica da Nova Jerusalém que não pode ser fechada pelos falsos ensinamentos dos caídos!

(Eu Sou em baixo assim como Eu Sou no alto - Eu Sou purificado em baixo assim como Eu Sou puro em cima! - Só o poder da palavra e o conhecimento da possibilidade de espelhar a pureza da perfeição divina em nossa vida, liberta-nos aqui em baixo, para podermos nos elevar e sair da roda viva de reencarnações.)

O Deus conhecido, o Deus vivente; a própria chama de Deus dentro de vocês, ofereceu o Seu nome para que seja usado para libertar a Sua energia nas oitavas da Matéria.

EU SOU O QUE EU SOU é a palavra pronunciável traduzida para e em prol das almas que evoluem no tempo e no espaço a partir da palavra impronunciável.

Mas sim, existe uma palavra impronunciável. É uma palavra que vocês ainda não ouviram, uma palavra que vocês não ouvirão até que a sua alma se torne um com o Logos, no ritual inteiramente cientifico da Ascensão.

Quando o um retorna ao UM, então esse UM conhecerá e ouvirá e falará a impronunciável Palavra da perfeição nas oitavas da perfeição.

Lá, aquilo que era impronunciável para a consciência de imperfeição, torna-se a Palavra pronunciável da perfeição.

Eles o chamam de guru-menino (um falso guru), essa falsa imagem da Criança Divina. E em sua forma juvenil e grosseira, ele tomou o conceito da palavra impronunciável para justificar um sistema de iniciação, usando quatro técnicas da antiga tradição hindu para ter acesso à Verdade interior, a Verdade que eles dizem que não pode ser falada nem comunicada.

As almas jovens e inexperientes reúnem-se com as almas velhas e rebeldes. Misturando motivos diversos, elas buscam por respostas, atraídas pela promessa da revelação do "conhecimento secreto”.

Alguns desejam conhecimento para se libertarem do cativeiro; outros desejam conhecimento para colocarem as pessoas livres, em cativeiro.

Em um quarto escuro, as crianças da Mãe, sentadas lado a lado com as que já caíram, são ensinadas a ligarem os seus ouvidos e a escutarem o "som", a enrolarem a língua para trás e a procurarem a abertura no fundo da boca, a fim de degustarem o "néctar", a repetirem a "palavra" enquanto praticam respiração profunda, pronunciando a sílaba "So-Hung".

O (falso) "mahatma", vestindo uma túnica cor de açafrão, vem então para abrir o terceiro olho (para visões astrais). Ele introduz os seus dedos nas órbitas dos olhos até que a pessoa veja luzes e cores brilhantes.

Revirando os olhos para trás, para fins de concentração no centro da testa, alguns veem a visão culminar numa forma branca e luminosa, semelhante a uma rosquinha com um buraco no centro.

Estas técnicas não são novas e nem são inteiramente falsas. Os verdadeiros gurus da Índia, seguindo a tradição da religião Hindu, usam uma ou mais dessas técnicas, combinadas com a emissão de um mantra sagrado, para iniciar chelas que foram disciplinados no caminho do auto sacrifício e da mestria pessoal.

A falsidade do ensinamento é a falsidade do instrutor. O Maharaj Ji (conhecido como Guru Maharaj Ji), não descende da hierarquia dos verdadeiros instrutores da humanidade.

O pai do guru-menino não tinha a autoridade da Grande Fraternidade Branca para designá-lo como "mestre perfeito". E a sua Mãe, devo acrescentar, não tem a autoridade para contestar a sua designação de "mestre perfeito"; pois a autoridade do Criador, do Preservador e do Destruidor repousa unicamente em Deus Todo-Poderoso.

As quatro técnicas, quando combinadas com a ciência do mantra sagrado, aplicadas de maneira correta e usadas por um instrutor genuíno e com um discípulo genuíno, são calculadas para produzir os resultados desejados numa senda específica de yoga recomendada apenas àqueles que atingiram anteriormente uma mestria nos fundamentos da busca religiosa, delineados por Cristo e Buda.

O propósito desta iniciação, que pode ser alcançada através de uma técnica diferente pelos chelas dos Mestres Ascensos, é possibilitar que o chela faça a transição do exterior para o interior e vivenciar a Deus com os sentidos exteriores para poder vivenciar a Deus com os sentidos interiores.

O verdadeiro mestre é aquele que consegue manter o equilíbrio do coração e da batida do coração, o fluxo de sangue em diástole e sístole, e o fluxo de fogo nos chakras físicos e etéreos.

Esses fluxos são consideravelmente alterados pela luz ancorada pelo instrutor no altar do coração do chela. Durante esta iniciação, ocorrem uma transferência de energias e uma abertura da consciência dos sentidos físicos para os sentidos da alma.

Os que não recebem esta iniciação de um guru verdadeiro podem perder-se pelo caminho na zona mais baixa dos sentidos e defesas astrais. Eles despertam para o psíquico.

Sim, eles veem; mas as suas visões são psicodélicas, uma euforia de escravidão psíquica. Sem o instrutor vivente, eles confundem o plano astral com o plano da alma. Eles podem tornar-se clarividentes ou clariaudientes, mas as suas visões e seus sentimentos são de um plano da Matéria além do físico, mas que decididamente não é o nível da Consciência Crística no olho onividente de Deus.

Hoje em dia, existem muitas almas na América e por todo o mundo, que têm sido iniciadas desta maneira – perdidas sem esperança enquanto entram e saem de sintonia nos múltiplos canais e frequências do plano psíquico.

Sim, perdidas e sem esperanças, até que se esforcem e segurem a mão da Mãe Divina e dos Seus filhos e filhas, os Mestres Ascensos que vieram para resgatar as crianças no caminho.

Na minha próxima carta eu vou delinear a solução da Mãe Divina para o problema das pseudo-iniciações dadas pelos pretendentes do trono da graça.

Em fé, em esperança e em caridade, 

Eu ainda sou Kuthumi

----------------

Ditado originalmente em inglês, dado a mensageira Elizabeth Clare Prophet 
Tradução e comentários entre (parênteses) de - Paulo R. Simões


Voltar